Diálogos Transversais #9 – a Palestina e a carreira de Hiam Abbass

Num bate-papo poético e musical, Hiam Abbass falará sobre sua trajetória, trabalhos, sobre o cinema, teatro e questões que marcam sua percepção sobre arte e sociedade.

SINOPSE

A 9ª edição dos Diálogos Transversais será um pouco diferente do tradicional diálogo entre público e convidados. O Diálogos Transversais #9 contará com a presença da atriz palestina Hiam Abbass. Num bate-papo poético e musical, a atriz falará sobre sua trajetória, trabalhos, sobre o cinema, teatro e questões que marcam sua percepção sobre arte e sociedade. No palco, além de Hiam, o músico Sami Bordokan, em uma apresentação intimista com voz e alaúde, executará músicas palestinas eruditas e populares do século passado, entremeadas com declamação de poesias palestinas de autores como Mahmoud Darwich. O encontro acontece no dia 17 de setembro (segunda-feira), às 19h30, no Teatro Aliança Francesa.

Hiam Abbas é uma das grandes atrizes da atualidade, com extensa carreira de realizações em cinema, teatro e televisão. A atriz estará no Brasil para o lançamento do Festival de Arte Palestina Contemporânea no Brasil que acontecerá em novembro deste ano. A Aliança Francesa de São Paulo em parceria com a Plataforma Beit21realizará uma série de atividades, entre os dias 17, 18 e 19 de setembro, para o lançamento do Festival, dentre elas: Diálogos Transversais #9, apresentação única de ‘França Contra os Robôs e o CINE Conversa #4. Todos os eventos serão gratuitos.

 

 

Sobre Hiam Abbass

Hiam Abbass nasceu no dia 30 de Novembro de 1960, em Nazaré, Israel. Conhecida pelos filmes Satin Rouge (2002), Haifa (1996), Paradise Now (2005), A Noiva Síria (2004), Free Zone (2005), A madrugada do mundo (2008), O Visitante (2008), Lemon Tree (2008), Amreeka (2009) e Blade Runner 2049 (2017). Os talentos de Hiam não se limitam à telona. No filme Munique de Steven Spielberg, além do pequeno papel, Hiam também realizou assessoria técnica em atuação e idioma. “Como os atores que faziam os palestinos vinham de múltiplas procedências, fiquei o tempo todo no set ajudando a resolver os problemas de sotaques ou detalhes da cultura e do compartamento que são distantes para um diretor norte-americano.” A atriz também assessorou Alejandro González Iñárritu na seleção e preparação do elenco marroquino de Babel (2006). Hiam Abbass também possui uma carreira como diretora, são 3 curtas e 1 longa (Herança – 2012), tendo trabalhado neste último também como atriz.

 

Contexto do Projeto

Em 1948, ocorreram dois eventos com significativos desdobramentos históricos mundiais: a proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos pela Assembleia Geral das Nações Unidas (em 10 de dezembro) e a Nakba (catástrofe), que resultou na expulsão de cerca de 800 mil palestinos e na criação do Estado de Israel. O ano de 2018, marcado, portanto, por esta dupla efeméride, nos convida a rememorar os setenta anos da ironia da coincidência da data como emblema das contradições que alimentam os conflitos atuais. A arte palestina, que vem recebendo enorme atenção internacional nas últimas décadas por parte de festivais, museus, universidades, galerias, é definida por sua pluralidade, seja no campo das linguagens estéticas, do perfil dos artistas ou de suas temáticas. Um olhar para essa produção artística contemporânea nos revela, portanto, novas chaves de compreensão que apontam para uma das mais elaboradas facetas do debate político atual: a crítica social presente nas expressões estéticas. Mesmo com todo reconhecimento internacional, infelizmente, a América latina ainda não foi capaz de estabelecer um diálogo com esta produção artística palestina, salvo espaços pontuais de exibição cinematográfica. Todas estas características fomentam a elaboração de formas estéticas que são, ao mesmo tempo, profundamente singulares e absolutamente emblemáticas da condição política global contemporânea. Em novembro, teremos a continuidade das atividades do ano de 2018, com a realização do 48-18 – 1o Festival de Arte Palestina Contemporânea na América Latina e o lançamento inédito de uma plataforma de residências artísticas, como parte da rede internacional de residências artísticas para palestinos, lançada em Paris, em junho de 2018.

 

Sobre a plataforma Beit21

Coordenada por Ahmed Zoghbi, Arturo Hartmann e Geraldo Adriano Campos, a Plataforma Beit21 é um projeto de mobilidade artística e cultural que visa promover a circulação de ideias e pessoas relacionadas à produção artística contemporânea no Sul global. “Desejamos criar pontes, estabelecer conexões, aproximar olhares entre artistas de diferentes regiões que enfrentam desafios na luta por direitos e por liberdade, perfurando os muros e descolonizando processos que inviabilizam o processo de colaboração artística e criação estética de forma transnacional”, afirma Geraldo Adriano Campos. “O projeto que aqui apresentamos consiste na criação, pela primeira vez no Brasil, de uma plataforma permanente voltada para a discussão sobre a produção artística palestina contemporânea, com a sensibilidade necessária para estabelecer relações entre as esferas sociopolítica e estética”, frisa Arturo Hartmann. “Temos como objetivo, com isso, propiciar olhares cruzados entre realidades sociais diferentes, América Latina e Oriente Médio, conectadas por fluxos de imigrantes e refugiados; e marcadas por formas especificas de inserção na condição global do século XXI”, finaliza Ahmed Zoghbi.

 

 

SERVIÇO

Diálogos Transversais #9 – A Palestina e a carreira de Hiam Abbas

Bate-papo poético e musical com Hiam Abbass e Sami Bordokan

Dia: 17 de setembro
Horário: 19h30
Evento gratuito
Retirada de ingressos 1h antes
Tradução simultânea para o português e tradução em Libras.
Local: Teatro Aliança Francesa
Sujeito à lotação da casa (224 lugares).

INGRESSOS

Entrada gratuita.
Retirada de ingressos 1h antes do evento na Bilheteria do Teatro.